ALCINO LAGARES CORTES COSTA - CRT 44624
Terapeuta Holístico
 

PREVENÇÃO DO “Mal De Alzheimer”, COM AJUDA DA HIPNOSE

 

1. ENVELHECIMENTO (Senescência)

Perdas cognitivo-funcionais no envelhecimento

         O único modo conhecido de se evitar "morrer jovem" consiste em envelhecer! Então, felizes são as pessoas que conseguem chegar à velhice, desde que esta seja uma velhice saudável. O processo “normal” de envelhecimento (a senescência) implica em perdas cognitivo-funcionais, uma vez que, nessa fase do ciclo vital humano, ocorre redução dos efeitos de alguns neurotransmissores. A redução dos efeitos de Acetilcolina (o mais importante neurotransmissor no processo de aprendizagem e na ativação da memória) constitue-se em uma das características do Mal de Alzheimer, que apresenta como sintomas aparentes a perda de memória, a desorientação, e a gradual dificuldade motora, de fala, de comunicação e, enfim, de funcionalidade somática. Junto à percepção desse quadro, a pessoa frequentemente inicia um quadro de depressão, uma vez que decrescem também os efeitos dos neurotransmissores Serotonina, e Endorfina.

Sinais externos da depressão:

         Num quadro de depressão, a pessoa apresenta-se com aparência triste (cabisbaixa, com ombros caídos, e o olhar apático), uma vez que sua capacidade de lidar com os fatores de origem de seu sofrimento encontra-se em baixa.

         Além disso, essa pessoa geralmente passa a sofrer de insônia (demora a adormecer), ao dormir seu sono é agitado, e desperta cansada. Às vezes, passa a acordar muito cedo, mesmo sentindo-se sonolenta.

         A ausência de prazer manifesta-se também através da falta de apetite, e de desinteresse sexual.

Sintomas psicológicos da depressão:

         A pessoa encontra-se desmotivada, e sente-se incapaz de realizar seus afazeres, habituais ou não, e parece crer que não encontrará nenhum prazer em realizá-las. Embora se sinta confortada temporariamente com a atenção e a ajuda de familiares e de amigos, tais apoios acabam por reforçar um estado de dependência, o que faz baixar ainda mais sua auto-estima. Por outro lado, embora receba passivamente tais apoios, a pessoa deprimida tem dificuldade de se relacionar socialmente, e mostra-se desinteressada dos círculos de amizade.

         Nessas ocasiões seus pensamentos são pessimistas, gerando uma falsa percepção de “perenidade” e de “irreversibilidade” das conseqüências negativas.    O foco de sua atenção é voltado para si próprio (sentimento de autopiedade), o que corresponde a uma desatenção com o mundo circundante e com o momento presente, conseqüentemente gerando também “falta de memória”.

 Sintomas específicos de “Alzheimer”

         Frequentemente, os sintomas de Alzheimer começam após os 60 anos de idade. Em torno de 3% das pessoas com idade entre 65 e 75 anos apresentam os sintomas; no entanto, a proporção cresce para 50% entre os idosos com 85 anos ou mais. Os sintomas do “Mal de Alzheimer” agravam-se à medida que o tempo passa.

Os principais sintomas são:

(1) INICIAIS:

- perda de memória, confusão, e desorientação;

- ansiedade, agitação, desconfiança;

- alterações da personalidade e do senso crítico;

- dificuldades para alimentar-se, cozinhar, banhar-se, fazer compras, etc. 

(2) AVANÇADOS:

- dificuldade em reconhecer familiares e amigos;

- perder-se em ambientes conhecidos;

- alucinações, inapetência, perda de peso;

- incontinência urinária;

- dificuldades com a fala e a comunicação;

- movimentos e fala repetitiva;

- distúrbios do  sono;

- dependência progressiva;

- dificuldades motoras.

 

Como é possível ao senescente obter os benefícios da prevenção

         Isso pode ocorrer essencialmente graças à estimulação dos impulsos na atividade nervosa superior. 

         Os impulsos nervosos passam de uma célula para outra, criando uma sequência de informações dentro de uma rede de neurônios (células do sistema nervoso), por dois meios: elétricos e químicos. Os impulsos elétricos são excitantes internos do neurônio, e os fluidos químicos transmitem o sinal de um neurônio a outro ou para uma célula muscular. O processo de interação entre neurônios, e entre neurônios e células musculares acontece em espaços existentes entre essas células, os quais são denominados “sinapses”. As sinapses impedem a ligação direta entre as células; por conseguinte, o único modo de transmissão do conteúdo de uma célula para outra é através da química de que se constituem os neurotransmissores.

         Como foi mencionado acima, com os efeitos de Acetilcolina em queda, surge o denominado “Mal de Alzheimer”. A redução dos efeitos de Serotonina coloca a pessoa em estado de depressão. Nessa situação, a qualidade de vida dessa pessoa é péssima.

         No entanto, é possível estimular, através de exercícios, os efeitos de Endorfina, gerando um quadro de pessoas “de bem com a vida”. É fato conhecido cientificamente que esse neurotransmissor tem seus efeitos potencializados exatamente através dos exercícios físicos!

         Desse modo, a prática de atividades funcionais moderadas (adequadas à idade avançada e para pessoas assintomáticas, ou apenas com sintomas iniciais) tem, inicialmente, o importante papel de agente físico de disparo de uma atividade celular no cérebro dos praticantes, potencializando efeitos de Endorfina. Uma vez aumentados os efeitos de Endorfina, por “irradiação” (a comunicação de uma percepção de bem estar de uma célula para outra), também os efeitos de Serotonina se elevam, gerando uma mudança do quadro inicial de “depressão” para um quadro consequente de “alegria” e de “bem estar”.

         Por outro lado, pesquisas científicas indicam que, a maior incidência de “Alzheimer” (entenda-se: “perda de efeitos de Acetilcolina”) ocorre exatamente entre idosos que não estimulam a mente de algum modo, não tocam instrumentos musicais, não “solucionam” problemas intelectuais, não “superam” desafios; enfim, não exigem de suas mentes esforços de concentração de atenção.

Dessa forma os sintomas podem ser minimizados com atividades físicas moderadas que despertam e concentram atenção (por exemplo, nas artes marciais adequadas à idade do praticante), e induzem a potencialização de Endorfina, propiciando bem estar e independência funcional.

Agregando valor à pessoa senescente e elevando sua auto-estima

É necessário romper com o lugar comum de se imaginar que as únicas “atividades” destinadas às pessoas idosas sejam “jogos de cartas”, “bordados” e, no máximo, “danças de salão”.

A prática de atividades físicas e intelectuais de artes marciais (“Aikido”, e de técnicas com armas de manuseio, como “Ken Jitsu” _ arte da espada _, e “Jo Jitsu” _ arte do bastão_) eleva, por si só, a auto-estima das pessoas idosas.

Percebendo-se como “pessoa capaz” de realizar proezas físicas, de exercer controle sobre o próprio corpo, de manter-se _sem necessidade de remédios _ em perfeito equilíbrio (físico e mental), de apreciar as belezas da vida e de usufruir plenamente destas, a pessoa sente-se valorizada e autoconfiante.

O papel da hipnose nesse processo

         Através da força da mente, podemos afetar (favorável, ou desfavoravelmente) as funções orgânicas, que são comandadas pelo cérebro, até o nível das células.

         Nossos pensamentos e nossas emoções alteram os batimentos cardíacos, aceleram o ritmo respiratório, provocam sudorese, causam tremores, afetam a temperatura do corpo, produzem suco gástrico, renovam ou eliminam células.

         Destarte, são inegáveis os efeitos que a mente provoca sobre o todo o corpo, o que nos leva a afirmar que os pensamentos podem afetar (e alterar profundamente) nosso organismo como um todo.

         A partir da confiança no “poder do pensamento”, e sabendo-se que a hipnose atua diretamente na mente da pessoa (donde fluem seus pensamentos), pode-se afirmar que ela pode (e muito fortemente) ajudar na recuperação do seu equilíbrio interno, pois: induz o cérebro a restabelecer os efeitos de Acetilcolina, melhora o humor da pessoa e sua postura diante dos sintomas, restaura sua autoconfiança e sua vontade de vencer.

(O AUTOR, ALCINO LAGARES, PERMITE A LIVRE REPRODUÇÃO DO TEXTO, DESDE QUE SEJA CITADA A FONTE)